Mais um relato de viajante brasileiro na Sérvia

Volto a citar um post do site Mochileiros.com que contém um relato de brasileiro que esteve na Sérvia, desta vez postado em fevereiro deste ano por um turista de Bragança Paulista (SP). Leiam o que ele escreveu e percebam como há muito que nós ainda temos a descobrir sobre esse canto da Europa. (reproduzo o texto na íntegra, todo em <sic>, ou seja, incluindo alguns erros de forma e conteúdo, além de tradução – alguns nomes não estão nem em servo-croata nem em português, mas sim em inglês, o que não faz nenhum sentido)

Estou novamente de viagem, mas quero postar algum relato e colaborar com algum brasileiro que deve estar indo à Sérvia neste momento. E antes de mais nada, fica meu apelo à Equipe de Moderação: acho lamentável que a Sérvia não tenha uma seção só pra ela. Reduzir a Sérvia a um tópico somente… poxa, a Sérvia tem tanta coisa! Quem pensa que o país se resume a Belgrado, engana-se. A Sérvia também tem Nis, Kopaonik (que é um parque nacional, na verdade), Novi Sad, Kragujevac, Subotica…

Mas enfim, farei um breve resumo das principais atrações de Belgrado e também dicas sobre o país (como a necessidade de um visto)!

VISTO
Ainda há necessidade sim de visto! Para alguns países como o México, por exemplo, a Sérvia permite a entrada por até 30 dias. No entanto, para o brasileiro entrar no território sérvio, tem que ter o visto! Para conseguir não tem dificuldades: basta enviar seus documentos (passaporte, foto, comprovante de pagamento e formulário de requerimento do visto preenchido) para Brasília. Se quiser a informação oficial, mande um email para embaixadaservia@terra.com.br com o título “Ref.: Visto” e eles te mandarão todas as informações (quer você seja estudante, turista ou está indo visitar algum parente).

COMO CHEGAR
Eu fui de avião, pela Jat Airways. Paguei algo em torno de 120 euros, voando de Berlim. Há também como chegar de trem, porém o preço é bem salgado. Quem quiser tentar low cost companies, tem a Wizz Air.

Kopaonik

VERÃO/INVERNO
Fui no inverno. E fiz coisas que só poderiam ser feitas no inverno… como a ida ao Parque Nacional de Kopaonik (uma das montanhas de ski na Sérvia). No entanto, perdi a oportunidade de ir aos boat clubs (baladas flutuantes) no rio Danúbio, que só funcionam no verão. No verão, temos também bungee-jump na ilha Ada Ciganlija (uma das ilhas no rio Danúbio) e vôo de balão por Belgrado. Perdi isso!

TRANSPORTE
O meio de locomoção básico em Belgrado são os trans (bondes). Porém, os troleibus também ajudam bastante. O ticket para qualquer um deles custa 60 dinares (60 centavos de euro). A partir de fevereiro de 2012, começou um novo meio de validação dos tickets dentro do tram/ônibus. Agora está mais difícil para burlar, embora não impossível. No entanto, garanto que você não encontrará transporte mais barato que esse em toda a Europa!
PRINCIPAIS PONTOS TURÍSTICOS

Praça da República/Republic Square/Trg Republike
Principal ponto de encontro dos belgradenses (praticamente todas as linhas de ônibus param lá). Localizada no centro da cidade, é um local onde você matará vários coelhos com uma cajadada só. Além da praça em si (que conta com um monumento do príncipe sérvio Mihailo Obrenović III), ficam localizados nela ainda o Museu Nacional/National Museum, oTeatro Nacional/National Theater e o Centro Cultural (este último é um prédio envidraçado que tem galerias de arte nos andares de cima, um centro de informações turísticas no subsolo e no térreo tem o melhor local para comprar souvenirs – se você quer comprar camisas legais de verdade, compre aqui! Os camelôs só vendem camisas horríveis).

Knez Mihailova
É a rua dos pedestres. É um “calçadão” do lado da Praça da República. Repleta de lojas de roupas, perfumes e sapatos. A rua de cima da Knez Mihailova conta com ótimos pubs (aconselho o Irish Pub). Na rua de baixo tem uns cafés muito bons. Aconselho o Illegal Bar (próxima à Faculdade de Filosofia da Universidade de Belgrado) – o bar é, na verdade, debaixo da livraria. Entre na livraria e pergunte sobre o bar. Eles te indicarão o que aparentemente é um porão. Mas chegando lá você encontra um bar com dois andares, telão, banda etc… Nos dias de jogos é muito bom! Ah!, você ainda pode pegar algum livro para ler, de graça.

Kalemegdan Park e Belgrade Fortress
A Knez Mihailova leva à principal atração de Belgrado: o Kalamegdan Park. O parque é, na verdade, mais mesmo um forte (Belgrade Fortress) que foi utilizado há centenas de anos… Um passeio por lá é obrigatório para qualquer um que vai a Belgrado. Além de uma construção super histórica, de lá você vê o Zemum (bairro histórico na Nova Belgrado) e a confluência dos rios Danúbio e Sava. Além disso, o Kalamegdan Park também conta com o Museu Militar, duas igrejas ortodoxas (Rose Church e Church of St. Petka) e um zoológico (que não tem nada demais). Se pedir informações ao guia dentro da Rose Church, saberá que as pinturas da igreja foram feitas com o concreto ainda fresco (típico das igrejas ortodoxas) e que ali foi um antigo depósito de artefatos militares – é por isso que balas constituem os lustres (a única igreja no mundo com balas em sua constituição).

Saint Sava Temple
Me disseram na Sérvia que é o maior templo cristão ortodoxo no mundo. Se é verdade, não sei. Porém, até mesmo os flyers turísticos que eu recebi confirmavam essa informação. No Natal sérvio (7 de janeiro), as pessoas vão para a frente do templo aguardar a meia-noite. Os ramos de folhas secas que eles levam na mão foram “benzidos” nas igrejas ortodoxas pela cidade e ficarão durante uma semana sob a mesa da copa, para trazer sorte à família (alguns motoristas colocam nos parachoques dos carros). A igreja é linda. Knez Miloša É a rua das embaixadas. É lá também que estão os antigos prédios bombardeados pela OTAN (em 1999).

Zemum e Ušće

Aos que não sabem, Belgrado é divida em Nova e Velha Belgrado. Zemum é um bairro antigo, histórico, na Nova Belgrado. Além de casas com um arquitetura antiga, um calçadão às margens do rio Danúbio, cafés/bares/restaurantes flutuantes, ruas de paralelepípedos, igrejinhas ortodoxas, tem também o que os belgradenses chamam de a melhor panqueca da cidade! Se informe sobre a Panqueca do Pinóquio! Ušće é a região de encontro dos rios… de lá é onde você tem a melhor vista de todo o Belgrade Fortress. Vale ir para tirar uma foto!

Tašmajdan Park
Um dos parques mais bonitos da cidade. Vale à pena uma visita. Junto à ele, tem a Igreja de San Marco, que nunca terminou de ser construída (por fora), mas por dentro é bem bonita.

Igreja de San Marco/St. Mark’s Church
É a segunda principal igreja ortodoxa em Belgrado. Enquanto alguns dizem que ela está em reforma, há quem diga que ela nunca terminou de ser construída. Vale uma visita.

Nikola Pasic Square, Prefeitura de Belgrado e Parlamento Sérvio Como em outros países, o Parlamento nacional é mais um prédio grande com uma arquitetura diferente, estátuas, jardins… Em frente ao Parlamento, tem a Prefeitura e uma praça. Dar um pulo lá para conhecer e tirar umas fotos é válido!

Nikola Tesla Museum
Museu do Nikola Tesla, o homem que aprendeu a como usar a eletricidade. Sem dúvida alguma, você precisa ir lá. Mas o principal: vá lá antes e pergunte sobre os horários de visita dirigida, caso contrário verá simplesmente uns objetos dos quais não entenderá nada. Mas com o guia (tem duas visitas dirigidas por dia, uma em inglês e outra em sérvio) ele liga os objetos e você “interage” com eles. Eu pude tocar a eletricidade, vi raios saindo da minha mão, o cabelo das mulheres subindo e um super transformador jogando raios pela sala inteira. Vale MUITO a pena uma visita guiada! Além disso, há também uma bola dourada com as cinzas do próprio Nikola Tesla – o mais próximo que você chegará dele. Enfim, o museu é bem interessante. Estudante paga meia.

Ada Ciganilija
Uma ilha no rio Danúbio, para aqueles que forem a Belgrado no verão. Tem praia, parques, bares e cafés interessantíssimos. Como eu fui no inverno, só pude aproveitar os cafés. No verão tem bungee-jump e vôo de balão.

Avala Tower e Avala Mountain
Acho que foi o passeio mais top que eu fiz em Belgrado. A Avala Tower fica na Avala Mountain. Subir a montanha à tarde (não muito tarde) pelas trilhas ou pelo asfalto e depois subir na torre é beeem legal. Tive um dos melhores momentos da viagem nesse passeio… o percurso até a torre é bem agradável. Como é afastada da cidade (tem que pegar tram e ônibus), o ar da montanha é bem puro. É comum os belgradenses irem à montanha para fazer um churrasco, passarem o dia, descansarem um pouco… E a vista do torre é incrível! A entrada da torre é 100 dinares (1 euro) – ingresso barato! Estudante paga meia.

E Belgrado ainda reserva muitas outras coisas… mais tarde dou mais dicas (e posto fotos). Falei só as principais. Fiquei na Sérvia um mês! Se estiverem com qualquer dúvida, desde de dinheiro à hospedagem, alimentação etc, podem me perguntar. Terei o maior prazer em responder. Quem quiser me enviar um email é jcmvaldivia@hotmail.com. Abraço!

Anúncios

Dois jornalistas brasileiros na ex-Iugoslávia

Os coleguinhas Fernando Figueiredo Mello e Diogo Lucato (repórter e fotojornalista, respectivamente), formados pelas PUCs de SP e RS, estão desde junho em viagem pela ex-Iugoslávia, agora quase no finalzinho, e registram tudo no blog balcânicas. Demorei a encontrar o blog deles, mas ainda bem que o fiz enquanto ainda estão lá. São textos curtos e sensatos, acompanhados de fotos com uma perspectiva singular. Já passaram por Sérvia, Croácia, Eslovênia, Bósnia, estavam ontem no Kosovo (é O Kosovo, com artigo masculino, pelamor) e chegaram hoje à Macedônia – última parada no itinerário. Eu também estive em vários desses lugares (principalmete Belgrado e Kosovo), mas o roteiro deles é bem maior.

(o texto tem uns errinhos de português e uns clichês de política externa ocidental, mas no geral é muito bom)

Recomendo muito a leitura atenta de todos os posts e a apreciação das belas imagens desse lugar arrebatador.

Bar Tito, em Sarajevo - um dos vários bares iugonostálgicos na ex-Yu

Bar Tito, em Sarajevo - um dos vários bares iugonostálgicos na ex-Yu

Destruição causada pela OTAN em Belgrado, há 12 anos

Destruição causada pela OTAN em Belgrado, há 12 anos

Sede da UNMIK, a missão da ONU no Kosovo

Sede da UNMIK, a missão da ONU no Kosovo

Patriarcado Ortodoxo de Peć, no Kosovo

Patriarcado Ortodoxo de Peć, no Kosovo

(Todas as fotos são de Diogo Lucato, publicadas no balcânicas)

“Visitem a Sérvia: ela é a Europa fora da União Européia”

Relato de mais uma turista brasileira na Sérvia, postado no fórum Mochileiros.com, que esteve lá em setembro do ano passado. Não concordo com tudo (como assim “Belgrado não agrada à primeira vista”?! e compará-la com São Paulo é heresia!), mas fica mais forte a recomendação final que ela faz para que conheçam a Sérvia. Detalhe: ir de trem é uma vantagem, não desvantagem, para quem quer conhecer o país de verdade.

Re: Sérvia – Perguntas e Respostas

Mensagempor jacc » 23 Out 2010, 00:05

Estive na Sérvia em setembro último, valeu muito a pena. Ainda precisa de visto porque o acordo internacional entre Brasil e a Sérvia ainda depende de ratificação pelos respectivos parlamentos. É simples, porém, conseguir o visto. Só mandar o passaporte e os comprovantes exigidos para Brasília e eles devolvem com o visto. O único problema é que o visto é bem caro, gasta-se mais de 200 reais com isto.

Eu estava em Budapeste e tinha pensado em ir a Belgrado de trem, mas são 7 horas e a travessia da fronteira não é automática como no interior da União Européia. A Sérvia não a integra e por isto há parada para controle de passaportes, etc. Decidi ir de avião, passagem barata.

Quem chega a Belgrado de avião descobre que o aeroporto é bastante fora da cidade e há duas opções: negociar com os espertos taxistas ou pegar o ônibus 72 que te deixa no centro da cidade. O ônibus demora um pouco, mas o preço é quase de graça.

Belgrado não agrada à primeira vista. Impossível comparar com a beleza fácil de Praga, Viena ou Budapeste. É meio como São Paulo, assim, cinzenta, como já disseram aqui, mas, assim como a capital paulista, tem inúmeras atrações e é uma cidade interessantíssima, além de ser fácil e prático caminhar por ela.

Os restaurantes são ótimos e o preço é muito acessível. Como pontos turísticos da cidade recomendo ir andando até a Igreja de S. Sava (a segunda maior igreja ortodoxa do mundo, em construção), visitar outras igrejas ortodoxas, como a catedral, passar o fim de tarde no Castelo, com por do sol muito bonito. Vale muito a pena tirar uma manhã para ir até o Túmulo do Marechal Tito, fundador da Iugoslávia e no caminho ver prédios bombardeados pela OTAN em 1999 (Guerra do Kosovo). A noite é animadíssima e a rua de pedestres está sempre cheia de gente, sendo excelente a qualquer hora do dia ou da noite.

Recomendo muito ir até o bairro de Zemun (do outro lado do Rio Sava), parte bucólica de um lugar que já foi uma cidade separada e com forte influência austríaca.

Quem se dispuser aprender o alfabeto cirílico vai conseguir se orientar melhor com placas de ruas, ônibus, etc. O alfabeto é fácil, em alguns dias com treinos é possível já ler nele e vale a pena o esforço.

Enfim: visitem a Sérvia. Ela é a Europa fora da União Européia, com uma cultura riquíssima, culinária inesquecível, preços módicos e um povo muito receptivo.

Os Bálcãs segundo Monteiro Lobato

— Voltemos atrás – continuou Dona Benta. Temos ali a Grécia, e ao Norte a série dos famosos países balcânicos, nome dado por causa dos Bálcãs, aquelas montanhas lá pelo meio.


— Famosos por que?


— Porque formam um fogareiro cujas faíscas volta e meia botam fogo no mundo. São briguentíssimos. Aquêle país lá é a Iugoslávia, com a sua capital Belgrado e a sua eternamente memorável cidade de Serajevo. Foi em Serajevo que um estudante matou a tiros o Arquiduque Ferdinando, que ia ser o sucessor do Imperador Francisco José no trono da Áustria. Êsse crime pôs fogo no mundo. Desencadeou a tremenda Guerra Mundial. Notem que Belgrado fica à margem dum rio. É o Danúbio, um dos maiores rios da Europa e da História. (…) Pois o Danúbio depois que sai da Áustria entra na Hungria, a terra das rapsódias e das danças de botinhas escarlates. Lá banha a capital desse país, Budapete <sic>.


— Estou vendo Budapeste! – gritou a menina, que não largava a luneta. Cidade linda… dividida em duas…


— Sim, duas. Uma se chama Buda e a outra Peste.


Emília quiz fazer uma graça com o nome da capital húngara mas Pedrinho tapou-lhe a bôca.


— Em seguida o Danúbio separa a Iugoslávia da Romênia, continuou Dona Benta. Romênia é outro país balcânico, muito rico em minas de petróleo. E depois separa êsse país da Bulgária, outro país balcânico.


— Como é o nome da capital da Romênia?


Bucareste, uma cidade de 300 mil habitantes, linda, linda…


— E a capital da Bulgária?


— Essa tem nome de mulher Sofia. Bem menor que Bucareste, pois pouco passa de 100 mil. Os países balcânicos são todos pequenos.


— Garnizés, então, sugeriu a menina. Briguentos assim…


Dona Benta continuou às voltas com o Danúbio, contando que depois de sair da Romênia êle ainda pegava um pedacinho da Rússia, só então lançando-se no Mar Negro.

Nesse ponto foi interrompida por uma deliciosa música apanhada pelo rádio de Pedrinho. Era o “Danúbio Azul”, célebre valsa de Strauss, um compositor vienense. Esperou que a música chegasse ao fim. Depois deu um suspiro de poesia e continuou a danubiar.

(Trecho extraído de “Geografia de Dona Benta”, de Monteiro Lobato (págs. 201-205 no texto da 8ª edição, da Editora Brasiliense, de 1954; a obra originalmente é de 1935, quando os Bálcãs estavam em paz). Reproduzi a ortografia da época. Na verdade, o delta do Danúbio não pega a Rússia, mas o extremo sul da Ucrânia, que na época fazia parte da União Soviética e Lobato chamou tudo de “Rússia”. Nessa época, a Moldávia era parte da Romênia. Por curiosidade: o livro tem 29 capítulos.)

O que há de pior em Belgrado

A AFP (agência de notícias da França) fez hoje uma matéria em vídeo sobre “o agito” em Belgrado, capital da Sérvia e da antiga Iugoslávia. Entrevistaram turistas, estrangeiros que moram lá e moradores nativos, todos elogiando muito a cultura e a vida noturna da cidade.
Mas essa não é a minha Belgrado.

Essa é a Belgrado cafona dos playboys mafiosos do Zemun, das mulheres cavalas siliconadas com calça de oncinha, dos turistas americanos babacas e dos bares de piranhas com turbofolk (eletromúsica dos bandidões).

Não foi essa Belgrado que freqüentei nem a pela qual me apaixonei! Eu andava pela Belgrado dos indies, dos adoradores de Monty Python, das kafanas com conversas intelectuais, dos geeks analistas de sistemas, pela Belgrado dos velhinhos nostálgicos comendo burek com iogurte. Essa eles não mostraram.

Servo-croata para pôr no prato

essa foto eu peguei na Wired

essa foto eu peguei na Wired

Acabo de voltar do supermercado. Fui fazer umas comprinhas de comida. Coisas fáceis de preparar, tipo sopa de pacote. Sopa de galinha. Sopa de brócolis. Sopa de letrinha… E, de repente, me vi olhando as prateleiras de cima a baixo, de esquerda a direita, procurando, procurando, procurando, uma sopa de letrinhas que fosse em cirílico!

Não encontrei. Mas fica a idéia para os fabricantes.

O dia de sol que está fazendo (mesmo ainda com +10o C) finalmente me deixou reconhecer a minha Belgrado. Esta é a cidade que eu conheci: iluminada, colorida, de céu azul. Hoje é o primeiro dia em que posso abrir as janelas, respirar, trocar o ar do apartamento. Sei que vai entrar poeira, mas…

Zeca Camargo no Kosovo

O Fantástico deste domingo vai exibir uma matéria do Zeca Camargo feita com as igrejas e monastérios do Kosovo, “patrimônio da humanidade ameaçado por uma disputa étnico-religiosa”. O pessoal da embaixada já tinha me dito mesmo que houve uma equipe da Globo aqui no ano passado. E, pelo jeito, a gravação é um pouco velha, porque ainda não tinha nem neve (agora está tudo coberto por um tapete branco).

Dá para ver a chamada aqui: http://tinyurl.com/fantkim

Queria saber se ele esteve no mosteiro de Peć, onde eu também estive.

Será que vai fugir dos clichês zecacamarguísticos? É esperar para ver. “Domingo, no Fantástico.”